GRUPO CONCORRE NOVAMENTE AO PRÊMIO JOÃO DE BARRO.

O Grupo Tavares através da Cerâmica Assunção está concorrendo mais uma ao Prêmio João de Barro, na categoria cerâmica. Este é o terceiro ano consecutivo que integrantes do Grupo Tavares concorrem ao prêmio. Em 2011, Raimundo Assunção Tavares, sócio – diretor do Grupo concorreu ao prêmio ceramista do ano e a Ceará Cerâmica na categoria cerâmica. Em 2012 foi à vez de outro diretor do Grupo Tavares, Lourival Assunção Tavares concorrer ao prêmio de ceramista do ano.

 

foto01

 

Para o Lourival, “é muito importante ser lembrando nestas premiações nacionais e esperamos que este ano possamos ser premiados”.
 
O Prêmio é uma iniciativa da Anicer para reconhecer e destacar personalidades, cerâmicas, instituições e fornecedores que contribuem com ações inovadoras e práticas de qualidade para a melhoria e desenvolvimento do setor no Brasil. “A cada edição procuramos aprimorar o Prêmio para que o setor destaque os nomes que realmente estão fazendo a diferença no País. Nossas entidades filiadas fizeram suas indicações e agora a votação está aberta para que os sócios de todos os Estados decidam. O João-de-Barro é motivo de orgulho para todos nós ceramistas”, avalia o presidente Cesar Gonçalves. A votação ocorre somente pela internet entre as empresas associadas à entidade. Confira todos os indicados no hotsite do 42º Encontro Nacional de Cerâmica Vermelha. A premiação será durante a festa de encerramento do evento em Recife.
 
A Cerâmica Assunção é a maior empresa do Grupo Tavares. Fundada em 1990 com aquisição de uma cerâmica na cidade de Aquiraz – CE. Na época esta cerâmica, hoje denominada ASSUNÇÃO I (foto abaixo) estava em péssimo estado de conservação sendo necessárias reformas, inclusive no forno. Alguns meses depois em outra negociação foi adquirida outra pequena cerâmica na região e foi denominada ASSUNÇÃO II, também conhecida como Berra Bode. Alguns anos mais tarde a foi adquirida outra pequena cerâmica com fornos redondos e estrutura modesta, a ASSUNÇÃO III, esta olaria fazia parte de empresa maior com ampla e moderna estrutura, mas que inicialmente a negociação foi com apenas a parte menor.

 
foto02
 
Pouco tem depois a parte restante da cerâmica foi adquirida e passou a ser denominada de ASSUNÇÃO IV e como são geminadas ASSUNÇÃO III-IV.
 
Neste ano foi a inaugurada a ASSUNÇÃO – ECO, uma unidade com forno túnel e das mais modernas infraestruturas tecnológicas do país, utilizando exclusivamente biomassa renovável para a queima e com uma capacidade produtiva de 3.000.000 de peças por mês.